Sobre image



A artista visual Carol Melo nasceu na cidade do Rio de Janeiro/RJ, e foi radicada em Olinda/PE. Pós-graduada em Fotografia e Imagem pela Escola de Marketing do Recife/PE; e Formada em Fotografia pela Universidade de Caxias do Sul/RS; Seu trabalho fotografico autoral propõe reflexões sobre a memória, cultura popular e povos de terreiros; por quase 10 anos, trabalhou com fotografia de palco, shows e espetáculos. e Nos últimos anos tem se dedicado ao desenho digital baseados em suas próprias fotografias.

La artista visual Carol Melo nació en la ciudad de Rio de Janeiro/RJ y vivió gran parte de su vida en Olinda en Pernambuco, Brasil. Con Postgrado en Fotografía e Imagen de la Escuela de Marketing de Recife, Pernambuco; y Grado en Fotografía por la Universidad de Caxias do Sul, en Rio Grande do Sul; Su obra fotográfica de autor propone reflexiones sobre la memoria, la cultura popular y la gente de terreiros - que son personas de religiones de matrices afroingena brasileña; Durante casi 10 años trabajó con fotografía escénica, de espectáculos y concierto. En los últimos años se ha dedicado al dibujo digital a partir de sus propias fotografías.


Visual artist Carol Melo was born in the city of Rio de Janeiro/RJ, and lived almost time the your life in Olinda in Pernambuco, Brasil. Postgraduate in Photography and Image from the Recife, in Pernambuco Marketing School; and Graduated in Photography from the University of Caxias do Sul, Rio Grande do Sul; His authorial photographic work proposes reflections on memory, popular culture and people of terreiros - people of afroindigenious Brazilian religion. For almost 10 years, she worked with stage photography and shows. Recently years she has dedicated herself to digital drawings based on her own photographs.



Para ler o CV completo

2020-2024

Homenagem aos Mestres

Essa série é uma homenagem aos Mestres da Jurema Sagrada e da Umbanda.

Ver  

Fevereiro-Agosto

Essa série é uma sequencia de auto-retrato da artista, com as cores do seu orixá Lebara, conhecida como Pomba-Gira.

Ver  

Maracatu

Essa série foi realizada à partir das fotografias das séries fotográficas da autora chamadas Maracatu, Alvorada e Quantas mãos fazem um maracatu.

Ver  

Mandalas

Ver  

Veste Branco

Essa série foi realizada à partir das fotografias da série fotográfica da autora chamada Veste Branco

Ver  

Outros

Ver  
“A ilustração digital começou quando fiquei sem computador durante a quarentena, e substituí por um tablet. Como não estava fotografando muito, comecei a desenhar sobre algumas fotografias minhas e gostei do processo; E do resultado. 
Acho que esse trabalho foi e continua sendo um exercício pra mim durante esse  período de pandemia, olhar com outros olhos pro meu trabalho e ressignificá-lo.”

Sobre as ilustrações digitais
Carol Melo

2010 - 2020  

Quer receber novidades por email?

Inscreva-se no site e receba no seu email as atualizações do site!

 

Um pouco sobre os trabalhos, processos, experimentos, histórias e sugestões.  

Em 2018 iniciei um curso de fotografia pra desenvolver meus trabalhos que era oferecido pela Escola Livre de Imagem, que foi conduzido pelos queridos Mateus Sá, Eduardo Queiroga e Dani Bracchi no Museu Murilo La Greca por quase 1 ano, com encontros semanais. Na turma haviam algumas carinhas conhecidas tanto de fotógrafos, quanto de amigos, e outras pessoas que no decorrer desse período se tornaram companheiros do nosso coletivo não coletivo Vagalumes.

Leia Mais  

Quando cheguei em Olinda, quis continuar minha vida acadêmica e decidi fazer pós-graduação em Fotografia e Imagem no mesmo ano, porém a turma não fechou imediatamente e só foi possível no ano seguinte; O curso durou por volta de ...

Leia Mais  

Ir pra um show que a gente gosta é sempre se conectar com quem canta, que parece que sentimos o mesmo de quem escreveu. Quando estou diante do palco, é como se as vezes aquela cena tivesse acontecendo em camera lenta, com suas inúmeras luzes coloridas só pra mim. Então mergulho na vibração dos músicos, da música, de mim, do que sinto, do que vejo, e presto atenção, até um ponto que faço o click e a partir dali meu olho, minha cabeça, meu corpo e minha camera entram num outro plano que vejo tudo que acontece diante de mim, como magia.

Leia Mais  

Sou no tempo do VHS, onde vivíamos em videolocadoras pra alugar filmes no final de semana e devolver na segunda, e fazíamos de tudo pra evitar a multa de atraso, já que era metade do preço. Tinha uma tv com gravador de VHS embutido, e vivia gravando clips na Manchete. E desse tempo paleozóico pra cá, a tecnologia permite que possamos escolher o filme ou série que quisermos, deitadinho na cama ou enquanto trabalho, viajo,almoço … Então resolvi escrever despretenciosamente sobre o que acho de algumas séries e filmes da Netflix que assisti, e como nem conclui o primeiro periodo da faculdade de cinema, não sei se preciso de autorização pra isso …E pra não estrear com esse texto, sem falar de alguma coisa pra assistir, vou falar um pouco sobre.

Leia Mais  

Bom, essa é uma série é uma das que mais trabalhei muito encima, desde revistar o material que foi captado em 2015, à fazer leitura de portfólio, curso, meses de trabalho intenso de experimentação e discussões coletivas sobre o material, até ganhar corpo, e ser feita a primeira expo do trabalho em 2018.

Leia Mais  

O ano de 2015 foi um momento que sem perceber, estava muito envolvida com a cultura pernambucana, e só no primeiro semestre tinha fotografado três eventos que tinham o Maracatu como tema central.

Leia Mais  

No Estado de Pernambuco, nordeste brasileiro, é comum vermos apresentações de Maracatus e a reprodução de suas imagens estamparem as cidades e o imaginário coletivo pernambucano;

Leia Mais  

O transbordamento do Rio Una com a alta das chuvas, deixou a cidade em estado de calamidade pública. Poucos meses depois desse período fatídico, a expedição com fotógrafos e outros artistas chega a cidade de Palmares. Uma parte do pessoal montava em praça pública uma exposição do Ricardo Peixoto, Diabolin fazia apresentações circenses e o fotojornalista consagrado Evandro Teixeira caminhava com o grupo de fotógrafos.

Leia Mais  

Esse é o primeiro texto que falo sobre essa série, e também a primeira série que realizei. E é Interessante pensar sobre isso, e revisar esse lugar, porque quando olho pra trás e penso como ela começou, é ao mesmo tempo, olhar pro começo da minha jornada.

Leia Mais  

É comum ver em Olinda alguns grupos reunidos jogando capoeira, seja no Alto da Sé, na praia... mas quando fui pra Barcelona, não imaginei ver, ainda mais durante a primeira caminhada para Iemanjá na cidade Catalã. Era como estar em casa. Já tinha o projeto Veste Branco em andamento, e fotografei as rodas de capoeira porque faziam parte daquele cortejo, que em alguns momento era parado pra algumas pessoas de grupos de capoeira formado por brasileiros e espanhóis da cidade. Quando voltei e olhei as imagens com calma, algumas era meio abstratas, os corpos pareciam amórficos, e quis experimentar mais dessa outra forma de ver o corpo. Seja ele múltiplo, ou descontruído, cortado, recriado. Então gostaria de compartilhar algumas dessas imagens, e seus desdobramentos.

Leia Mais  

Fiz Faculdade de Fotografia em 2007, na Universidade de Caxias do Sul/RS. Se eu conhecia alguém naquela cidade? não. Conhecia alguém no Rio Grande do Sul? não. Conhecia alguém na região sul do país? não. Mas tinha o Orkut, e em uma comunidade especifica do curso, mandei mensagens pra alguns alunos e professores, pedindo informações, opniões sobre o curso e coisas assim.

Leia Mais  

A loja online abriu! Venha conhecer e saber mais sobre

Leia Mais  

Para entrar em contato, preencha o formulário abaixo

Preencha o formulário abaixo ou envie-nos um email que nossa equipe irá responder o mais breve possível.